os textos aqui apresentados são redigidos em desacordo com o Acordo Ortográfico #AO90







quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

dos livros difíceis de encontrar | n' @afundasao




- Sim?
Atendi o telefone. Mais uma vez, enganava-me a mim própria. Pensei que fosses ligar por causa daquele assunto pendente. Tinha ficado de te procurar um livro. Certo? Ou melhor, arranjámos uma qualquer desculpa para nos falarmos. Um livro servia. E até dava um certo ar intelectual à coisa. A esta «coisa» que nos une. E que não pode, nem podia existir. Mas existe.
- Quero ver-te. Saber de ti. Saborear-te.
Engoli em seco. Fingi que não tinha percebido. Ruído na linha.
- Não tenho o que precisas.
Estava a falar do livro. Não o tinha encontrado. Acho que escolheste um daqueles títulos impossíveis de se encontrar. Assim, dilatávamos no tempo esta desculpa para nos encontrarmos. Ou, pelo menos, para falarmos.
- Tens – disseste – tens tudo aquilo de que preciso. Não sabes é como, nem quanto. Mas tens.
- Posso continuar a procurar.
E pronto. Lá o disse de novo. Assumi ali que não tenho qualquer hipótese, mas que quero continuar. Persistir «nisto».
A verdade é algo que dói. E é quase sempre seguida do silêncio ensurdecedor. Ele também sabia que era verdade. Que não havia hipóteses. Nem daquelas a que se chamam nulas. Mas ele preferia agir como se nada fosse.
Que assim seja. Eu até gosto de visitar livrarias. Mesmo que saiba que o livro é impossível. De encontrar.
- Tenho saudades tuas. – disse, desligando o telefone de seguida.
Eu também.


texto de Joana Sousa
desenho de Gonçalo Martins | Book of Erotica
para acompanhar com um Jeff Buckley


post publicado no blog da Sãozita mai'linda!

Sem comentários: